Rituais - Detalhamento

Ir em baixo

Rituais - Detalhamento

Mensagem  leojaco25 em Sex Jan 27, 2012 9:39 pm

Lá no meio, mundos vivos e solitários
Servindo de apoio, como se fossem ossos

- Peter Gabriel, "Mercy Street"

Os rituais são encarnações dos ritos e das celebrações dos Garou. Os rituais formam e reforçam os laços espirituais e sociais que unem os Garou uns aos outros e à Gaia. O elo comum formado pelos rituais ressoa nas almas de todos os Garou. Muitos Theurges e a maioria dos Portadores da Luz afirmam que, sem a prática contínua desses rituais, os Garou perderiam seus elos e a própria Gaia. Sem eles - advertem os Theurges e os Portadores da Luz - os Garou podem vir a se tornar inferiores aos seus eus verdadeiros, talvez até mesmo retrocedendo de escolhidos de Gaia a simples lobos e humanos.
Através dos rituais os Garou costuram o tecido social, emocional e religioso que conecta Garou a Garou, matilha a matilha, tribo a tribo. Quando os Presas de Prata se encontram com os Fúrias Negras ou os Portadores da Luz se encontram com os Andarilhos do Asfalto, os rituais de seus ancestrais criam uma conexão entre todos eles. Muitos encontros entre Garou de tribos e matilhas diferentes já foram salvos de se transformar em meros jogos de domínio (ou pior) pela prática de um Ritual de Contrição para facilitar o diálogo. Os rituais também possibilitam às tribos e matilhas a liberdade para se definirem e desenvolver seus papéis exclusivos na defesa de Gaia. As tribos, e muitas seitas individuais, possuem seus próprios rituais e suas próprias versões de rituais comuns. O Ritual do Despertar do Espírito dos Fianna, com seus uivos estridentes e debochados, guarda pouquíssima semelhança externa com o ritual contido de mesmo nome dos Senhores das Sombras. Não obstante, a essência e o propósito dos dois rituais são os mesmos.

Tipos de Rituais
Conforme explicamos anteriormente, os rituais possuem conotações religiosas e taumatúrgicas, servindo igualmente a propósitos sociais e místicos. A maioria dos rituais pode ser realizado na Umbra ou no mundo normal. Os rituais podem ser agrupados em categorias definidas pelo propósito de cada tipo de ritual para os Garou e para Gaia. São os mais comuns: Rituais de Acordo, Caern, Morte, Místico, Punição, Renome, Periódicos e Menores. A não ser que um ritual específico estabeleça outra coisa, para um ritual ser executado com sucesso, é preciso que todas suas exigências básicas sejam respeitadas.
As descrições e as exigências para cada tipo estão listadas abaixo, juntamente com os rituais comuns desse tipo. Um Garou tem a liberdade de aprender qualquer tipo de ritual, contanto que possa encontrar alguém que o ensine. Porém, os augúrios costumam determinar os rituais que um Garou deve aprender (veja A Influência do Augúrio, adiante neste capítulo).

Praticando um Ritual
Em geral, rituais são atividades em grupo lideradas por um indivíduo conhecido como mestre de ritual, embora alguns Pequenos Rituais e Rituais Místicos possam ser conduzidos por um único Garou. A maioria dos rituais requer a presença de um mínimo de três Garou.
Os rituais normalmente requerem grande concentração e habilidade da parte do celebrante. Um ritual demanda três minutos por nível para ser realizado, embora Pequenos Rituais requeiram sempre alguma espécie de bugiganga ou material especial. As exigências gerais para categorias específicas de rituais serão detalhadas adiante.
É responsabilidade do mestre de ritual providenciar para que todas as exigências sejam cumpridas e que todos os Garou presentes participem plenamente. Em seguida, ele deve fazer um teste para determinar o sucesso do ritual. A natureza exata e a dificuldade do teste varia de ritual para ritual. Os Narradores podem diminuir a dificuldade de um teste se o mestre de ritual e os Garou participantes desempenharem (interpretarem) o rito particularmente bem. Para cada cinco Garou acima do número básico exigido que estejam presentes e contribuindo com Gnose para o ritual (além do mestre de ritual), o nível de dificuldade é reduzido em um.
Alguns rituais exigem o dispêndio de Gnose, embora muitos não requeiram isso. Ao contrário dos Dons, os rituais são considerados uma forma natural de afetar a ordem natural. Os Garou acreditam que se um ritual for desempenhado a contento, o efeito ocorrerá naturalmente, da mesma forma que qualquer teoria científica de causa e efeito. Se você soltar uma pedra, ela cairá; se você desempenhar um ritual da forma exata como ele é passado de geração em geração, o efeito desejado ocorrerá. Contudo, alguns rituais não requerem Gnose; esses rituais são distorções particularmente poderosas da ordem natural.

Aprendendo um Ritual
Os anciões das tribos que ensinam rituais foram por sua vez ensinados por seus ancestrais, que foram ensinados por seus ancestrais, e assim por diante, até o alvorecer do mundo. Para adquirir o conhecimento (e a permissão implícita) para desempenhar um ritual, um jovem Garou precisa aproximar-se de um ancião que possua esse conhecimento. Na grande maioria dos casos, o ancião exigirá pagamento (na forma de talentos) do filhote em questão. O número de talentos requeridos varia com a quantidade de ensinamentos necessária (nível do ritual) e a opinião do ancião sobre o filhote (Posto comparativo e interpretação). Os anciões frequentemente permitirão ao jovem Garou que faça um favor em vez de - ou em adição a - doar talentos. Tais favores podem variar entre prover o ancião com caviar e carne fresca de coelho durante três luas cheias a encontrar um velho inimigo do ancião e rasgar a sua garganta. Em qualquer caso, o favor pedido costuma ser proporcional ao poder e à importância do ritual que o jovem Garou deseja dominar.
Aprender um ritual é uma ação prolongada. Um Garou precisa possuir um Conhecimento de Rituais no mínimo igual ao nível do ritual que ele deseja aprender, e precisa despender tempo - pelo menos uma semana por nível do ritual que ele deseja aprender (três dias para Pequenos Rituais) - com o ancião que sabe o ritual. O Garou precisa testar Inteligência + Rituais (dificuldade de 10 menos Inteligência). O número de sucessos requerido equivale ao nível do ritual. Pode ser feito um teste por período de ensinamento (uma semana para um ritual de Nível Um, três semanas para um ritual de Nível Três, etc.) Se o estudante fracassar num teste, ele precisar á gastar um ponto de Força de Vontade para prosseguir os estudos. Se ele cometer uma falha crítica, será porque ainda não está preparado para aprender o conhecimento que busca; ele terá de esperar três mudanças de lua, ou até que tenha mais experiência, para tentar de novo. Um personagem pode começar o jogo com conhecimento dos rituais comprando o Antecedente de Rituais. Porém, depois os rituais poderão ser aprendidos apenas através de interpretação; não poderão ser comprados com pontos de experiência.

Rituais não aprendidos:
Um personagem que já tiver participado de um determinado ritual poderá tentar praticá-lo, ainda que não conheça os procedimentos necessários. Nem é preciso dizer que ele tem pouca chance de sucesso. A dificuldade é três vezes maior que o normal, e ele precisa gastar o dobro da quantidade de pontos de Gnose (se algum for requerido). Além disso, os Garou mais velhos costumam ver essas tentativas como impertinentes ou até mesmo sacrílegas. Tentar praticar um ponto não aprendido na presença de um ancião poderá reduzir a Honra do Garou ou sua Sabedoria aos olhos de sua tribo.

A Influência do Augúrio
Nem todos os Garou possuem uma afinidade natural com a condução dos Grandes Rituais. Muitos ficam satisfeitos em conhecer alguns Pequenos Rituais e um punhado de rituais mais significantes aos seus próprios olhos. Na verdade, os Garou tradicionalmente vêem os lobisomens nascidos sob determinados augúrios como os mestres por direito dos rituais das tribos. Em especial, os Theurges e os Filodox são preparados para essas posições desde o momentos que entram na seita como filhotes adolescentes. Quase não se tem notícia de um Garou de um desses augúrios que não tenha ao menos alguma perícia na realização de rituais. Em geral, os Theurges tendem a aprender Rituais Místicos, Rituais Periódicos e Rituais de Caern, enquanto os Filodox tradicionalmente aprendem Rituais de Pacto e Rituais de Punição.
Isto não quer dizer que os Garou de outros augúrios não possam aprender rituais ou, ocasionalmente, liderá-los. Os Galliard costumam liderar Rituais de Morte e Rituais de Renome. Os Ragabash e os Ahroun também podem aprender e realizar rituais, embora a seita dificilmente encoraje esse comportamento, a não ser que haja uma razão específica para que um de seus Garou lidere um ritual. Por exemplo, um Ahroun pode liderar seu grupo de guerra num Ritual de Ferimento depois da primeira batalha de um filhote. é sábio lembrar que as matilhas individuais costumam ser (embora não sempre) mais flexíveis para interpretar essas tradições, devido a se preocuparem mais com qual membro da matilha desempenhará um ritual do que com seguir cada tradição antiga. Um Garou pode aprender um Ritual Místico, a despeito de seu augúrio.

_________________
Jaco - Andarilhos do Asfalto - Lasombra



By leojaco25 at 2012-02-03
Moderador do Fórum.


Narrativa:
Fala - Pensamento - Off - Detalhamento
avatar
leojaco25

Mensagens : 217
Data de inscrição : 13/10/2010
Idade : 43

Ficha do personagem
Nome Personagem:
Clã:
Seita:

http://patas-de-urso.vampire-legend.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum